ícone Lupa
ícone Lupa

Restringir à: Título Sub-Título Descrição Conteúdo

Data de Início: Data Fim:

Restringir a busca por conteúdos do tipo: Notícia Na mídia Boletim



Especialistas discutem normas técnicas que regulem tecnologias de telemedicina no Brasil

Encontro vai criar a Comissão de Estudo Especial Temporária de Telemedicina

Autor: Simone Fonseca - RNP


 

Longas esperas para a marcação de consultas, grandes distâncias até a consulta com o especialista ou até a realização de exames e novamente aguardar o resultado dos exames. Essa é a realidade  de muitos brasileiros. Quando se fala em saúde, sabe-se que o tempo pode ser decisivo. Uma das iniciativas que pretende amenizar este problema é o Sistema Brasileiro de Telemedicina (SBTM), que ainda precisa normatizar procedimentos. Com esse objetivo, amanhã (12/09), especialistas de todo o país de diversas áreas ligadas à telemedicina vão se reunir em São Paulo para estabelecer um conjunto de normas técnicas para regulamentar tecnologias de telemedicina assistencial no Brasil. Além disso, será criada a Comissão de Estudo Especial Temporária de Telemedicina (CEET).

 

Durante o encontro, serão apresentados o processo de elaboração de normas para o SBTM e a atuação da Comissão. Os participantes definirão também o programa de trabalho e o cronograma das próximas reuniões. A CEET, além de estabelecer o conjunto de normas, pretende gerar uma plataforma de software-modelo que proverá ferramentas para atividades de telemedicina nos estados. A criação da CEET e a sua coordenação pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) são desdobramentos do projeto Sistema Brasileiro de Telemedicina. O papel da ABNT é conduzir o processo de construção da norma e a sua posterior efetivação social.

 

Para Aldo von Wangenheim, coordenador do projeto Cyclops-Telemedicina da UFSC, a crescente  informatização do setor de saúde, tanto público como privado, e a  popularização das atividades de telemedicina no país têm gerado a necessidade da garantia da segurança e da integração das informações produzidas. "Por isso, a próxima etapa do projeto é a elaboração da Norma Brasileira", explica von Wangenheim. A proposta é definir uma padronização dos serviços, ferramentas de software e modelos de dados, de segurança e de ergonomia adotados pelos aplicativos de software que venham a ser utilizados para o fornecimento de serviços de telemedicina.

 

"A Norma será  construída com ampla participação das iniciativas ligadas direta e indiretamente à atividade de telemedicina no Brasil", destaca Cleidson Cavalcante, gerente de  projetos do Cyclops. "A Norma Brasileira de Telemedicina será uma conquista do ponto de vista dos gestores, dos consumidores e produtores de tecnologias e serviços para a área da saúde no Brasil", conclui Cavalcante.

Média (0 Votos)